Neste blog você irá encontrar sugestões de atividades, atividades já realizadas, informações sobre o Ensino Religioso no estado do Paraná e principalmente em Curitiba. Trabalhar com a diversidade religiosa em sala de aula é algo extremamente rico pois, é na diversidade que aprendemos a respeitar o outro.


15 de outubro de 2016

CATEDRAL BASÍLICA MENOR DE NOSSA SENHORA DA LUZ DOS PINHAIS

Hoje participei da visita guiada à Catedral Basílica Menor de Nossa Senhor da Luz dos Pinhais, um lugar muito especial para os católicos de Curitiba. Este Lugar Sagrado cresceu assim a própria cidade de Curitiba.




















Sua história faz parte da história da cidade, conheça um pouco  do que aprendi hoje.

A Catedral Basílica Menor Nossa Senhora da Luz – ou Catedral Metropolitana de Curitiba, é um templo católico do município de Curitiba, capital do estado brasileiro do Paraná.

Em 1668 uma pequena igreja de pau a pique foi edificada no local, hoje Centro Histórico de Curitiba, com a denominação deI greja de Nossa Senhora da Luz e Bom Jesus dos Pinhais.
Em 1693 instalou-se em suas dependências a Câmara Municipal, a fim de eleger as primeiras autoridades locais. No dia 29 de março do mesmo ano foi oficializada a fundação da Vila de Nossa Senhora da Luz e do Bom Jesus dos Pinhais de Curitiba.

Anos mais tarde, essa pequena construção deu lugar a uma maior, em pedra e barro, denominada Igreja Matriz, que foi concluída em 1721. Essa, por sua vez, foi demolida entre os anos de 1875 e 1880, para que finalmente fosse edificada a atual Catedral, cujos trabalhos ocorreram entre 1876 e 1893.

Em 1894 recebe o título de Catedral, com a posse do primeiro bispo, D. José Camargo.
No dia 7 de junho de 1993, cem anos após sua inauguração, a Catedral foi elevada ao grau de Basílica Menor, em reverência à Nossa Senhora da Luz dos Pinhais, a santa padroeira da capital paranaense.

A catedral foi construída em estilo neogótico - ou gótico romano - inspirada na Catedral da Sé de Barcelona, na Espanha. As pinturas existentes são dos artistas italianos Carlos Garbaccio e Anacleto Garbaccio.
A autoria do projeto é atribuída ao arquiteto francês Alphonse Conde des Plas, com pequenas modificações feitas pelo engenheiro Giovani Lazzarini , responsável pela execução da obra

No projeto original, uma torre comportaria um sino e um relógio, enquanto a outra um observatório meteorológico dotado com um barômetro, que jamais foi instalado pelos altos custos.

Em 1947 foi construído um anexo. Esta ampliação impede que o Iphan - Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional reconheça a Catedral como patrimônio histórico. Porém é uma unidade de interesse de preservação municipal.

Em 2012 foi finalizada a mais profunda e detalhada restauração do templo, devolvendo-lhe as cores originais.

Nesta etapa, algumas características até então desconhecidas ou esquecidas foram descobertas, como um poço de nove metros no altar, que provavelmente abastecia a primeira igreja e tornou-se uma atração após ser iluminado e coberto com um tampo de vidro.

A antiga Igreja Matriz de Curitiba fotografada em 1870 na ocasião da chegada dos voluntários da Pátria, da Guerra do Paraguay.

Significado do nome:
É CATEDRAL pois é a sede da Cátedra do Arcebispo Metropolitano, cabeça da Igreja Particular de Curitiba, de onde rege e pastoreia a porção do povo de Deus a ele confiada pelo Santo Padre. O atual Arcebispo Metropolitano de Curitiba é Dom José Antônio Peruzzo, que tomou posse em 19 de março de 2015, Solenidade de São José, esposo da Virgem Maria e Patrono Universal da Igreja.
É BASÍLICA MENOR pela sua importância histórica e beleza artística e arquitetônica. Esse título de Basílica é concedido pelo Papa a algumas igrejas ao redor do mundo. A Catedral-Basílica de Curitiba recebeu o título pelas mãos do papa São João Paulo II, em 1993, pela ocasião do I Centenário de sua inauguração. Esse título une mais diretamente esta igreja ao Santo Padre e a Santa Sé; é dita “Menor” pois as Basílicas Maiores são as Patriarcais, aonde o Papa celebra com mais frequência (São Pedro, no Vaticano, e São João de Latrão, São Paulo Extramuros e Santa Maria Maior, em Roma). Pela honraria, temos direito a alguns privilégios, como precedência quanto da visita do Papa na localidade em que está a Basílica, ou ainda as insígnias próprias, como o Umbraculum (ou Ombrelino) - espécia de cobertura semelhante a um guarda-chuva que é carregado nas procissões e estampado no Brasão de Armas - e o Tintinabulum - um sino aclopado em um ornamento de madeira que também é levado nas procissões que partem da Basílica ou a ela se dirigem.
Como PARÓQUIA atende normalmente a distribuição dos sacramentos, como batizados e casamentos, e ainda os da Iniciação Cristã, dados após a Catequese, que também oferecemos: Primeira Eucaristia e Crisma



À 1ª imagem da padroeira, do século XVII, hoje no Museu Paranaense.


À  2ª imagem da padroeira, do século XVIII, hoje no Museu de Arte Sacra da Arquidiocese de Curitiba.




Um dos vitrais da Catedral.


Poço que se encontra no altar da Catedral (atualmente), acredita-se que este lugar era o quintal da Catedral em sua primeira construção.(ano de 1.654)

Algumas datas históricas

1654: data provável da construção da primeira capelinha.
1716: chegada da 2ª imagem da Padroeira
1720: inauguração da Antiga Matriz
1747: criação da Paróquia de Curitiba
1875: início da demolição da Antiga Matriz
1876: benção da Pedra Fundamental e início da construção da atual igreja
1893: inauguração do atual templo
1894: passa a chamar-se Catedral Diocesana com a posse do 1º Bispo, Dom José de Camargo Barros.
1904: posse do 2º Bispo, Dom Duarte Leopoldo e Silva.
1908: posse do 3º Bispo e futuro 1º Arcebispo, Dom João Francisco Braga.
1909: Dedicação da Catedral
1926: passa a chamar-se Catedral Metropolitana quando Curitiba é elevada a Arquidiocese.
1936: posse do 4º Bispo e 2º Arcebispo, Dom Ático Eusébio da Rocha.
1950: posse do 5º Bispo e 3º Arcebispo, Dom Manuel da Silveira D’Elboux.
1971: posse do 6º Bispo e 4º Arcebispo, Dom Pedro Antônio Marchetti Fedalto.
1993: concessão do título de Basílica Menor.
2004: posse do 7º Bispo e 5º Arcebispo, Dom Moacyr José Vitti.
2015: posse do 8º Bispo e 6º Arcebispo, Dom José Antônio Peruzzo.

Na catedral também está enterrado o corpo do Arcebispo Dom Moacyr José Vitti, que faleceu aos 73 anos de idade.

“Nós vos amamos Jesus e nós manifestamos a nossa fé, cremos na vossa presença, nós vos adoramos e agradecemos de todo coração pela vossa presença e continuais sempre conosco. Nos vos amamos ó Jesus!” – Dom Moacyr na Adoração do Santíssimo Sacramento, Corpus Christi 19 de junho de 2014 uma semana antes de seu falecimento. Estava numa alegria imensa nos seus últimos quinze dias de vida. Na Véspera de sua morte (25/06) entregou seu testamento na cúria metropolitana, saindo de lá foi a Igreja dos capuchinhos (Paróquia Nossa Senhora das Mercês) e pediu o sacramento da confissão. No dia 26 pela manhã teve uma reunião com alguns padres e com eles almoçou, retornou para o palácio arquiepiscopal e como de costume estava tomando um café juntamente com Dom Rafael Biernaski, quando de repente  se inclinou e morreu vítima de um enfarte.  Está sepultado na cripta da Catedral Basílica Menor de Nossa Senhora da Luz dos Pinhais em Curitiba.





BRASÃO DE ARMAS

Brasonamento
Escudo: Em estilo polonês, terciado em mantel perpendicular, com bordo em or. No chefe, em fundo de blau,a Cruz Arquiepiscopal e o Báculo Pastoral decussados, ambos em or, com ornamento do primeiro à destra e do segundo à sinistra, sobrepostos por Mitra argente ornada de or com ínfulas idem color pendentes à destra e à sinistra sobre as hastes da Cruz e do Báculo. No cantão destro da ponta, em fundo de goles, a árvore Araucária (Araucaria angustifolia) estilizada em or. No cantão sinistro da ponta, em fundo de sinopla, a Coroa de Nossa Senhora da Luz dos Pinhais, sobreposta ao Cetro em barra, ambos em argente.
Timbre e ornamentos: Umbraculum encimando o escudo, alternado de or e goles, sobreposto pelo Orbe e pela Cruz Latina em or, e haste idem color encerrada em ponta aguda. Sob o escudo, as Chaves Pontifícias decussadas, com a argente de mecanismo à sinistra e com a or de mecanismo à destra. Dos ornamentos das chaves pende de ambos os flancos cordão em goles com passamanarias idem color.
Divisa: “Ecce Virgo Concipiet” em fonte de sable em listel de argente com reverso em or.
Descrição Temática
Escudo: O campo superior central, com a Cruz Arquiepiscopal entrecruzada com o Báculo Pastoral e a Mitra, celebra a categoria desta Basílica como Catedral, sede da Cátedra do Arcebispo Metropolitano, que goza de pleno uso das insígnias descritas e simboliza este templo como “Igreja-Mãe” da Arquidiocese de Curitiba, que tem como padroeira principal a Bem-Aventurada Virgem Mãe de Deus, Maria Santíssima, tradicionalmente representada na heráldica pela cor azul.
O campo inferior à direita celebra a árvore símbolo do Paraná, a Araucária ou Pinheiro-do-Paraná (Araucaria angustifolia), visto em abundância nos campos de Curitiba, em cujo brasão do Município, inclusive, observa-se a mesma árvore símbolo. O fundo vermelho alude às vestimentas das imagens na Capela-Mor(presbitério) da Catedral Basílica: o manto da padroeira, Nossa Senhora da Luz dos Pinhais (no Altar-Mor); o manto do Senhor Bom Jesus, que um dia foi também padroeiro da Villa de Nossa Senhora da Lux e de Bom Jesus dos Pinhaes (no nicho direito); e a romeira de São Roque de Montpellier, co-padroeiro da Catedral Basílica e da Arquidiocese de Curitiba (no nicho esquerdo).
O campo inferior à esquerda celebra a majestade de Maria Santíssima, coroada pela Santíssima Trindade como Rainha do Céu e da Terra, passagem que flagramos no Vitral-Mor da Catedral Basílica. O cetro e a coroa, em prata, foram desenhados conforme os originais que adornam a imagem do Altar-Mor da Catedral Basílica. O fundo, em verde, completa as vestes da padroeira e memora as matas de Araucária que preenchiam vastas extensões junto a esta igreja.
Timbre e ornamentos: compõem a dignidade heráldica que esta Catedral possui enquanto Basílica, título cedido pelo papa São João Paulo II em 1993, por ocasião do centenário da inauguração deste templo. O Umbraculum(ou Ombrelino) é símbolo próprio das Basílicas, trazido à mão durante as procissões solenes. As Chaves Pontifícias simbolizam a ligação desta igreja com a Santa Sé, enquanto Basílica Papal.
Divisa: alude ao evangelho proclamado na solenidade da padroeira, a 8 de setembro, versículos 1 a 23 do primeiro capítulo do Evangelho segundo São Mateus, que refere-se ao cumprimento da profecia de Isaías, que diz: “Eis que uma virgem conceberá [e dará à luz um filho]” / “Ecce virgo concipiet [et pariet autem filium]” (Is 7, 14b).


Confecção da Arte: Ateliê Heráldico
Descrição e Brasonamento: Gabriel Forgati

Imagens da visita:



Altar utilizado na comunhão. (antigamente)

Anjos abençoando o altar.

Nossa Senhora da Luz do Pinhais, sob olhar dos anjos.

Querubins

Vitral 

Vitral

Órgão francês.

Exposição, fala de Gabriel no andar superior da catedral.

Vitral

Vitral na parte superior medindo 8x8 m


Sinos

Imagem do Papa João Paulo II em tamanho real.

Parte de fora a qual Nossa Senhora da Luz dos Pinhais está sendo protegida e exaltada pelos anjos. Todas as pessoas que aqui  ou saem entram são protegidas pelos anjos.




Histórico dos Arcebispos da Catedral. 

Livros de registros, casamento, batizados restaurados.





Imagem do Senhor Morto.

Maquete da Catedral em madeira


Engrenagem antiga que fazia os sinos baterem




Fotos de Gabriel Forgati

Foto de Gabriel Forgati

Foto dos participantes da visita. Foto de Gabriel Forgati

Nenhum comentário:

Postar um comentário