Neste blog você irá encontrar sugestões de atividades, atividades já realizadas, informações sobre o Ensino Religioso no estado do Paraná e principalmente em Curitiba. Trabalhar com a diversidade religiosa em sala de aula é algo extremamente rico pois, é na diversidade que aprendemos a respeitar o outro.


9 de julho de 2018

ALIMENTOS SAGRADOS AFRO

 Os santos satisfazem sua fome de dendê, mel e farinhas, da carne dos sacrifícios e do sangue, seiva de vida, revitalizador elemento da ação do Axé. (LODY, 1979, p. 19).

Os cultos afro-brasileiros são crenças trazidas pelos escravos provenientes de diversos grupos étnicos – principalmente da costa ocidental da África –, que se mesclaram ou se aculturaram com elementos e divindades indígenas e com o catolicismo, trazido pelos colonizadores portugueses.
Essa nova forma de religiosidade popular recebeu diversas denominações, cuja variedade de ritos varia de acordo com a tradição africana da qual procedem, e, sobretudo, por sua formação em uma região específica do País. Os mais conhecidos são: o Candomblé, na Bahia e em outros estados; o Xangô, em Pernambuco, Alagoas e Sergipe; a Umbanda, no Rio de Janeiro, Minas Gerais e outros estados; o Tambor de Mina, Tambor de Nagô e Canjerê, no Maranhão; a Cabula, no Espírito Santo; e oBatuque ou Pará, no Rio Grande do Sul, onde também recebe a denominação deNação. 

Para os cultos afro-brasileiros, a alimentação sagrada é um fator determinante para a união e à preservação das ações dos deuses. É por meio da alimentação comum entre as divindades e seus fiéis que o culto assegura sua sobrevivência.

Na mesa dos deuses afro-brasileiros comem os Orixás, os Voduns (Orixás da cultura Jêje) e os Inkices (Orixás da cultura Banto). 

O Ajeum, cuja tradução mais literal pode ser banquete, é um termo e origem ioruba  referente às refeições. É o ato de comer e dar comida para as divindades nos centros de cultos afro-brasileiros. É um importante momento sócio-religioso nas festas públicas dos terreiros de candomblé, quando são armadas grandes mesas, onde as comidas dos orixás e as comidas comuns (comidas de branco) são servidas. Não existe cerimônia pública ou privada nos cultos afro-brasileiros em que a alimentação não esteja presente.

A culinária sagrada dos Orixás é muito diversificada e têm como base carnes, peixes, farinhas, mel, óleos, além de outros ingredientes, que de acordo com os preceitos dos cultos resultarão em alimentos desejados e do agrado do “santo”. Há muita influência da cultura regional na culinária e modo de preparar os alimentos para os Orixás, nos terreiros de Xangô, no candomblé e outras formas.

Na Bahia, há uma expressiva culinária votiva com um cardápio bem diversificado e a presença de fortes elos africanistas nos nomes dos pratos, condimentos e produtos utilizados.

Em São Luís, no Maranhão, são preparados os aluás de milho, com pão e vinagre, servidos em grandes cuias ao gosto dos Voduns, assim como os abobós, milho cozido e pequenos acarajés, diferentes dos baianos.
Nos terreiros de Xangô, em Pernambuco, Alagoas e Sergipe, há um grande uso de ervas e favas, também utilizados nos catimbós.

As iabassês ou cozinheiras dos terreiros são mulheres que se dedicam com votos religiosos ao preparo dos alimentos rituais. Conhecem os segredos e o que é preciso para agradar, aplacar, invocar ou cultuar os deuses africanos. Devem atuar na cozinha como em um santuário. Os alimentos que não fazem parte do cardápio ritual não podem ficar no mesmo local, devendo ser preparados em outro local, assim como, por tradição, os homens não devem frequentar a cozinha sagrada.

Os preparos dos alimentos para as divindades têm tradicionalmente um cozimento demorado, levando às vezes noites inteiras. Também, dependendo do prato, devem ser levados em conta o dia da semana e palavras mágicas. 

Segundo o antropólogo Raul Lody (1979, p. 32) há diversos tabus e injunções na alimentação dos deuses e das pessoas:

As iniciadas de Iansã não podem comer caranguejo ou abóbora. As pessoas que têm Oxum como orixá principal não devem comer peixes sem escama, principalmente o tubarão. Os iniciados de Omolu não podem comer siri. Os adeptos de Xangô, em sua maioria, não comem carneiro e caranguejo, e os iniciados da Nação Gege Mahino têm a proibição de consumir carne de porco, também não constando de nenhum cardápio sagrado dessa Nação.
Há um íntimo relacionamento entre os animais e os deuses africanos. O sangue deles os alimenta e reforça seus poderes no campo religioso. Por isso, os animais escolhidos para serem sacrificados e servir de alimento sagrado têm profunda identificação com a divindade a quem a comida será oferecida. Para cada divindade há uma série de animais votivos, que além de estar em perfeitas condições de saúde, são escolhidos pela raça, cor e sexo (LODY, 1979, p. 62-63):

EXU – galo e bode pretos.

OGUM – bode de várias cores, galo vermelho e de outras cores, conquém (galinha d’Angola, “tô-fraco”).
OXOSSI – boi, bode de várias cores, galo e qualquer tipo de caça.


OXUM – cabra amarela, galinha, pato, conquém, pombas de cores claras.

LOGUM-EDÉ – os mesmos animais para Oxossi e Oxum.
IANSÃ – cabra marrom, galinha pomba, conquém, aves de cores avermelhadas.

EWÁ – cabra, galinha, pato e conquém brancos.

OBÁ – cabra, galinha, pato, conquém, cágado.

XANGÔ – cágado, galo carneiro, bode, conquém marrom.

NANÃ – cabra, galinha e conquém, todos em cores claras.


OXUMARÉ – bode, galo, conquém em tons de marrom.


OMOLU- galo porco, bode, conquém, em cores escuras ou malhados
.
IEMANJÁ – carneiro, pato, galinha, cabra branca ou de cores claras.

OXALÁ  (em suas qualidades, Oxalufam e Oxaguiam) – cabra, galinha, pombo, todos na cor branca.

IROKO – galo, carneiro, bode, conquém malhados ou de cor clara.
OSSÃE – bode, galinha, galo de várias cores.
BAINE ou BAIANIM – conquém.
IBEJI – frango e franga de várias cores.

A gastronomia ritual afro-brasileira é repleta de detalhes e simbolismos. Existe uma infinidade de pratos preparados com preceitos e rigores específicos para o cardápio dos Orixás, Voduns e Inkices nos diversos terreiros dos cultos afro-brasileiros, assim como para os frequentadores dos terreiros. Abaixo, alguns desses alimentos:

ABADÔ – também conhecido como axoxô ou axoxó - espécie de farinha preparada com milho vermelho (Rio).
ABARÁ – massa preparada com feijão-fradinho, cozida em banho-maria, envolvidos com folha de bananeira e um camarão seco (Bahia).

AGRALÁ – farofa de farinha fina com sal e azeite de dendê (Rio).

AJABÔ – quiabos partidos em rodelas pequenas, temperado com mel de abelha (Rio).

AMIÓ –  espécie de papa, com farinha de milho, caldo de galinha e camarões secos moídos (Maranhão).

BADOFE – prato feito com cabeça de boi temperada com sal e alho, cozida com azeite de dendê, camarão, cebola, gengibre e outros condimentos. O prato é acompanhado de angu ou acaçá (Bahia).

BEINHAN – raiz de inhame cozido e um pouco amassado sem nenhum tempero;

CANJERÊ – alimento preparado com camarão seco, castanha e amendoim (Pernambuco).

EBÓ – preparado com milho branco, que depois de ficar de molho na água é pilado e cozido. Há diversos tipos de ebó (Bahia e Rio).

FAROFA DE DENDÊ – farinha de mandioca, azeite de dendê e sal. Pode também ser preparada com cebola, camarões fritos ou em massa condimentada (Bahia e Rio).

IXÉ – miúdos e demais órgãos dos animais sacrificados nos rituais de matança (Bahia e Rio).

OMALÁ – preparado com quiabos cortados em rodelas finas, temperados com cebola, camarão seco e azeite de dendê e ervas, como taioba, mostarda, bredo, capeba e outras (Bahia e Rio).

QUIBOLO – feito à base de quiabos cortados, temperados com azeite de dendê, sal e cebola ralada. Mistura-se após o cozimento, uma papa de fubá de arroz e carnes de animais sacrificados (Alagoas).

QUITINDIM DE ODÉ – amendoim cru, mel e coco picado misturados sem ir ao fogo (Alagoas).

Recife, 21 de março de 2013.

FONTES CONSULTADAS: 

LODY, Raul. Alimentação ritual. Ciência & Trópico, Recife, v. 5, n. 1, p. 37-47, jan./jun. 1977. 
LODY, Raul. Santo também come: estudo sócio-cultural da alimentação cerimonial em terreiros afro-brasileiros. Rio de Janeiro: Artenova;Recife: IJNPS, 1979.


Fonte: GASPAR, Lúcia. Cultos afro-brasileiros: alimentação ritual. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/>. Acesso em: dia mês ano. Ex: 6 ago. 2009.

2 comentários:

  1. poderia falar sobre os alimentos sagrados do hinduismo e xintoismo,o que acha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, vou pesquisar e assim que encontrar algo sobre o tema posto e compartilho o link.

      Excluir